Cura Reconectiva – Entrevista com a terapeuta Dóris König

Tempo de leitura: 3 minutos

Você já ouviu falar em CURA RECONECTIVA?

Eu nunca tinha ouvido falar, até dois meses atrás. E, depois que me falaram dessa terapia, eu comecei a ouvir e ler sobre ela em vários lugares. Entendi isso como um sinal para entender melhor do que se tratava.

E não precisei fazer muito esforço para ir atrás, pois, logo depois dessa minha decisão em saber o que era Cura Reconectiva, conheci uma terapeuta do Rio Grande do Sul que trabalha com essa cura, tanto em atendimentos presenciais, na sua clínica, quanto em atendimentos a distância.

Marcamos uma sessao a distância, pra eu ver/sentir como era (*) e combinamos um hang out, pois muita gente com quem conversei não conhecia essa técnica, mas também ficara curiosa.

A Cura Reconectiva lembra o Reiki, por se tratar de uma imposição de mãos e trabalhar com energia.

Os relatos de quem tem recebido essa terapia são impressionantes – esse foi um dos motivos que me despertou o interesse em conhecê-la um pouco mais.

Percebi que alguns reikianos não conseguem entender como funciona a Cura Reconectiva, pois ela não tem iniciação, nem usa símbolos. (Em um curso que dura 4 dias, qualquer pessoa sai como facilitador, podendo aplicar a Cura Reconectiva.) Mas, se lembrarmos que há pessoas que também não acreditam em Reiki, embora sintamos todos os seus benefícios, conseguimos perceber que a energia está à disposição de qualquer pessoa que a queira usar. (**) Às vezes, basta desenvolver algumas técnicas/predisposições para que se possa usar as mãos a serviço da cura. – E eu, como reikiana, fico admirada com a bonita capacidade que temos de poder ajudar o próximo, canalizando a energia do Universo através de nossas mãos, não importa se através do Reiki, da Cura Reconectiva, do Passe ou qualquer outra forma de imposição de mãos.

Quantas pessoas encontram alívio e consolo com esse simples ato de amor ao próximo? (Pois se disponibilizar a impor as mãos sobre alguém, para ajudá-lo a reestabelecer sua saúde, é um ato de amor!)

Se você, assim como eu, também gosta de conhecer terapias que podem nos ajudar, e acredita que o Bem toma caminhos variados, te convido a assistir à entrevista que fiz com a querida terapeuta Dóris Konig. Vc vai saber um pouco mais sobre mais essa terapia que está à nossa disposição.

Com carinho e gratidão,

Rebeca

(*) Combinei com a Dóris de me fazer a sessão a distância às 22h30 do domingo. Eu normalmente durmo tarde, próximo à meia-noite, mas, nesse dia, fui me deitar às 22h20 e apaguei no sono! Só me lembro de ter acordado de madrugada, morrendo de sede e de calor – e é muito raro eu me despertar de madrugada! No dia seguinte, acordei com uma sensação de relaxamento profundo. Ah! E um mau jeito que eu tinha dado nas costas, no domingo, tinha desaparecido quando acordei. Passei a manhã toda com uma sensação de relaxamento, mas, depois do almoço, comecei a sentir muito sono. Não consigo dormir de tarde, porém, não estava aguentando ficar de olhos abertos. Fui me recostar por 10 minutos…e acabei dormindo 40 minutos! Acordei revigorada e passei o dia relaxada… Foi uma sensação boa. A Dóris disse que se recomenda fazer 3 sessões no período de 10 dias, pra sentir bem os efeitos positivos. Vou agendar mais duas sessões com ela e já combinei de, agora, fazer em um horário um pouco mais cedo, pra ver se eu não durmo.rsrs

(**) Quem é de Santa Catarina deve ter ouvido falar do Frei Hugolino. Esse Frei passava o dia, na sua igreja em Santo Amaro da Imperatriz, fazendo imposição de mãos. Ele tem um livro (o A CURA PELA IMPOSIÇÃO DAS MÃOS, da Editora Edipappi), onde nos ensina a impor as mãos, com o intuito de cura; e nos diz que QUALQUER PESSOA pode fazer isso.