UMA PROVA DO CÉU

Tempo de leitura: 4 minutos

Dois amigos queridos (o coach Rafael Berard e a artesã Maevy Dias) me falaram muito bem sobre o livro UMA PROVA DO CÉU, do Dr. Eben Alexander III.

uma prova do ceu

O livro, que é narrado pelo próprio Dr. Eben, um competente neurocirurgião dos EUA, conta a sua Experiência de Quase Morte (EQM), quando foi vítima de uma raríssima meningite bacteriana que o deixou em coma por 7 dias. Durante esse tempo em que esteve “apagado”, as previsões médicas eram de que ele não sairia vivo. E, na melhor das hipóteses, se conseguisse sobreviver, teria graves sequelas pro resto da vida.

Bom, não vou cometer “spoiler” se disser que ele sobreviveu e não ficou com sequelas…rsrs Se ele pôde contar a sua experiência em livro, é porque ele sobreviveu e continuou com as suas funções cerebrais funcionando normalmente.

Como sabemos, a Medicina atribui a casos como esses o nome de “milagre”. Isso por si só já é interessantíssimo na vida do Dr. Eben. Mas mais interessante ainda é o que ele conta sobre a Experiência de Quase Morte que teve.

Esse neurocirurgião narra que, durante o tempo que esteve em coma, vivenciou o “outro lado” da vida, ou seja, vivenciou o plano espiritual. Esteve tanto em um mundo onde as almas sofrem quanto em um mundo de Beleza e Amor extremos. Os insights e as percepções que teve durante esses mundos são inspiradores.

Antes de continuar, um parêntesis: Dr. Eben Alexander III era um médico cético, da linha ortodoxa, que só acreditava no que a Ciência dizia. DiversosMédico pacientes falavam sobre sua fé, suas experiências espirituais, e ele somente ouvia, sem os desmentir, mas, também, sem, no fundo, levar a sério. Até ter essa EQM, o médico nunca acreditou em outros “mundos” ou outros “planos”. Contudo, após passar por um coma e vivenciar tudo o que conta no livro, ele tornou-se uma pessoa com uma postura completamente diferente com relação à espiritualidade. Apesar de todo o seu ceticismo, ele não conseguiu encontrar nenhuma explicação científica que desmentisse o que ele passou. Se nem mesmo a ciência pôde explicar de forma “racional” o que ele passou, então, não havia mais dúvidas: sua experiência ocorrera de fato. Fecha parêntesis.

Dentre as várias lições comoventes que o neurocirurgião compartilha, algumas que me tocaram bastante foram:

                – “O riso e a alegria são, no fundo, lembranças de que não somos prisioneiros deste mundo, mas peregrinos que caminham por ele.”

riso

                – “Não é preciso quase morrer para vislumbrar o que está além do véu – mas é preciso trabalhar. Aprender sobre essa nova realidade em livros e artigos de revistas é um bom começo, mas no fim do dia cada um deve mergulhar em seu próprio pensamento, por meio da oração e da meditação, para se aproximar dessas verdades.”

meditation

Ler esse livro foi muito inspirador. Eu, em particular, não sou cética quanto a EQMs ou qualquer outra experiência espiritual. Mas ler depoimentos tão fortes de pessoas que passaram por isso, me fez lembrar, no meio da agitação diária, que existe VIDA ESPIRITUAL. Existe vida após a morte. E, portanto, HÁ ALGO MAIS ALÉM DA NOSSA VIDA COTIDIANA.

É como se tivéssemos um vislumbre dessa recordação que está sempre lá, em nossas almas.

Vale a pena ler o livro para ver as descrições dos “mundos” em que ele esteve. Como o próprio Dr. Alexander III diz, é difícil traduzir em palavras aquilo que ele compreendeu de uma maneira diferente da qual estamos acostumados a compreender as coisas. Ele não “entendeu” o que viu e o que aprendeu; ele “sentiu”, “absorveu” de uma forma muito profunda – tão profunda que o fizeram mudar por completo com relação ao mundo espiritual.

Mas a lição que o Dr. Alexander aprendeu e que mais me tocou foi a de que somos profundamente amados por Deus. Ele descreve essa sensação no livro (tanto quanto é possível descrever o amor de Deus por nós), e eu, como leitora, também senti (ou pelo menos  senti um vislumbre desse Amor, pois imagino que essa Amorosidade seja ainda maior do que eu possa sentir e imaginar). E o insight maior que tive disso é que: SENTIR-SE AMADO POR DEUS É UMA FORMA DE ORAÇÃO E NOS ELEVA.

Porque, veja bem, amar Ele nos ama, mas será que nos lembramos disso? Será que sentimos isso (nem que seja uma fagulha desse amor por nós)? E como se torna a sua vida quando você se lembra desse Amor?

coração ceu

Deixo essas perguntas como forma de reflexão. Veja o que você sente ao se dar conta de que é amada por Deus. (Te garanto que esse tipo de exercício mexerá contigo. Se quiser, pode até me contar o que sentiu. Vou adorar receber seu comentário.)

E fica a sugestão de leitura do livro A PROVA DO CÉU. Você vai gostar! :-)

Com carinho e gratidão,

Rebeca